A Ausência Azul

prancha de Le Bouddha D'Azur (O Buda de Azul Celeste)





















dezinfluênciasmaisuma 1: Cosey*1




- Meus gostos artísticos são mais contemporâneos que os de Lord Westmacott *2: Picasso, Matisse, Léger, Vlamick, Kandinsky, Miró, Mondrian... Eu também fui influenciado por pintores como Bonnard, Vuillard, Derain ou Maurice Denis. 

- Eu conheço um pouco de pinturas e estampas japonesas e chinesas. A noção do vazio está aí presente. As melhores, nesse sentido, são as datadas de antes do século XVIII.


- Se eu não tenho vontade de trabalhar, ou se um desenho está particularmente difícil, tipicamente isso acontece porque existe algum problema de roteiro. E o contrário, se um roteiro está bem escrito, o desenho flui naturalmente. Porque meus desenhos não estão ali pra serem bonitos, mas para contar uma história.


- Cada ponto, cada traço, tem que ser indispensável, senão, é preciso suprimi-lo. Os quadrinhos que eu amo são ao mesmo tempo diretivos, pela decupagem que o autor impões ao leitor, e sugestivos, por seu traço estilizado, que evoca mais do que descreve.


*1n.b.- Depoimentos recolhidos por Antoine Maurel do artista suiço Cosey e publicados em Jonathan, une Autobiographie Imaginaire (Jonathan, uma Autobiografia Imaginária)
*2n.b.- Lord Westmacott, personagem de L'Espace Bleu entre Les Nuages (O Espaço Azul entre as Nuvens)

Comentários

  1. Pra quem interessar possa:
    Cosey decidiu estudar desenho quando já era um jovem adulto.

    ResponderEliminar
  2. "Porque meus desenhos não estão ali pra serem bonitos, mas para contar uma história"

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Top 10 + Populares